Histórico

2007

​Março

Criação da LLX Logística S.A, como subsidiária da MMX Mineração S.A.

​Junho

LLX Minas-Rio recebe autorização para construção e exploração do Porto do Açu.

Julho

Anglo American adquire 49% do capital da LLX Minas-Rio.

Setembro

MMX, LLX e Ontario Teacher’s Pension Plan Board (OTTP) firmam contrato para subscrição e aquisição, pela OTPP, de 15% das ações de emissão da LLX, sob a forma de ações preferenciais.

Outubro

Início da construção do Superporto do Açu, em São João da Barra (RJ).

Novembro

LLX inicia o desenvolvimento do Superporto Sudeste, com a aquisição da Pedreira Sepetiba, na Ilha da Madeira (Itaguaí/RJ).

2008

Fevereiro

OTPP efetuou um aporte de capital na LLX Logística no montante de US$ 185.

Junho

Acionistas aprovam a cisão parcial da MMX em três empresas: a LLX, a IronX Mineração S.A. - que reuniu os ativos vendidos para a Anglo American, e a MMX.

Julho

LLX é listada na Bovespa em 28 de julho de 2008, passando a ser negociada no Novo Mercado de Governança Corporativa com o código LLXL3.

Outubro

LLX divulga ao mercado Fato Relevante informando a suspensão do projeto Porto Brasil, em Peruíbe (SP), em razão da crise financeira.

2009

​Janeiro

LLX Minas-Rio assina contrato de financiamento com o BNDES e instituições repassadoras no valor de R$ 1,3 bilhão.

Março

O Conselho de Administração da LLX aprova aumento de capital em R$ 600 milhões. Os acionistas majoritários da Companhia cedem em favor da BNDESPAR (braço de participações do BNDES) parte de seus direitos de preferência, que passa a deter 12% do capital da empresa.

Abril

LLX recebe Licença Ambiental para o Superporto Sudeste.

Maio

LLX assina com a Wuhan Iron and Steel Co. memorando de entendimentos para potencial parceria comercial e estratégica, com previsão de instalação de siderúrgica no Supeprorto do Açu.

Agosto

LLX recebe Licença de Instalação para o Superporto Sudeste e Licença Ambiental para instalação de Pátio Logístico no Superporto do Açu.

Acionistas controladores da LLX adquirem ações da BNDESPAR (conforme estabelecido em Fato Relevante divulgado sobre aumento de capital da companhia, em março de 2009), que passa a deter 6% do capital da empresa.

Setembro

LLX e VCB (Votorantim Cimentos Brasil) assinam acordo comercial que contempla estudos de viabilidade para implantação de unidade no Complexo Industrial do Superporto do Açu.

Novembro

LLX e Camargo Correa Cimentos assinam acordo comercial que contempla estudos de viabilidade para implantação de unidade industrial no Complexo Industrial do Superporto do Açu.

Dezembro

LLX recebe Licença de Instalação para Pátio Logístico no Superporto do Açu.

BNDES aprova financiamento no valor de até R$ 407,7 milhões para aquisição de equipamentos nacionais para o Superporto Sudeste.

2010

Março

Divulgação do estudo de Viabilidade econômico-financeira, elaborado pela Verax.

LLX recebe autorização da ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) para construção e exploração do Superporto Sudeste.

Abril

Assinatura de Acordo de Parceria Estratégica entre EBX Investimentos Ltda e Wuhan Iron and Steel Co. O documento reafirma os principais termos e condições previstos no Memorando de Entendimentos celebrado em novembro de 2009, e prevê a construção e operação de uma planta siderúrgica no Complexo Industrial do Superporto do Açu.

Junho

Divulgação de negociações entre a LLX e a OSX para instalação de estaleiro no Complexo Industrial do Superporto do Açu.

Assinatura de contratos para a construção do Superporto Sudeste.

Julho

ANTAQ desmembra a autorização original que atendia ao Complexo Industrial do Superporto do Açu.  A primeira autorização, para a LLX Minas-Rio, passou a englobar exclusivamente as operações com minério de ferro e a segunda, concedida à LLX Açu, ratificou a autorização para a construção e operação de um terminal portuário privativo de uso misto para movimentação e armazenagem de cargas próprias e de terceiros.

Agosto

LLX assina com a CODIN (Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro) e com o Governo do Estado do Rio de Janeiro promessa de compra e venda relativa à parte dos imóveis do Distrito Industrial de São João da Barra, que será contíguo ao Superporto do Açu.

Setembro

Divulgado Fato Relevante sobre aquisição do Superporto Sudeste pela MMX, empresa de mineração do Grupo EBX. Operação, iniciada em 30 de setembro, contempla cisão da LLX Sudeste, com criação da PortX.

LLX recebe do INEA a Licença de Instalação para a construção de uma Unidade de Tratamento de Petróleo no Superporto do Açu, com capacidade de tratamento de 1,2 milhão de barris por dia (capacidade estática de 13,5 milhões de barris).
Assinatura de contrato com a Ternium Brasil S.A para a instalação de parque siderúrgico no Superporto do Açu.

Dezembro

Marinha do Brasil emite autorização para o desenvolvimento do canal onshore no Superporto do Açu, onde a OSX irá construir sua Unidade de Construção Naval.

2011

Maio

A Cristobal Colón, maior draga do mundo, chega ao Superporto do Açu para construir o aterro hidráulico da Unidade de Tratamento de Petróleo. Com 223 metros de comprimento, 41 metros de largura e mais de 70 mil toneladas, a draga tem capacidade de armazenamento de até 46 mil metros cúbicos, o que equivale a 2.300 caminhões.

Junho

Inea concede Licença de Instalação para a Unidade de Construção Naval do Açu (desenvolvida pela OSX) e para o canal de navegação do TX2.

LLX recebe da ANP autorização para construir uma unidade de tancagem  e tratamento de petróleo (UTP) no Superporto do Açu. A UTP já havia recebido a Licença de Instalação do Inea em setembro de 2010.
LLX inicia a construção do canal onshore do TX2, que contará no total com 6,5 km, 300 extensão e profundidade de 10,5 a 14,5 metros.

Agosto

LLX assina memorando de entendimento com a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) com o objetivo de, em conjunto, desenvolverem estudos técnicos de viabilidade para a construção de uma ferrovia que ligará o Superporto do Açu à região de Ambaí, no município de Nova Iguaçu (RJ).

Outubro

LLX assina com a NKT Flexibles (adquirida pela NOV) contrato para a instalação de uma unidade de produção de tubos flexíveis para apoio a indústria offshore no TX2, terminal do Superporto do Açu.

Grupo EBX e Orascom Construction Industries, um dos maiores conglomerados egípcios com atuação nos setores de fertilizantes e construção, anunciam que planejam desenvolver um complexo integrado estado-da-arte para produção de fertilizantes nitrogenados na área industrial do Superporto do Açu.
LLX conclui a produção do primeiro bloco de concreto flutuante que será utilizado na construção do quebra-mar do Superporto do Açu. Com mais de 13 mil toneladas, 66 metros de comprimento, 24 metros de largura e 18 metros de altura, a peça de concreto foi produzida em Arraial do Cabo (RJ). Ela será utilizada na construção do quebra-mar do TX2, terminal onshore do Superporto do Açu.

Novembro

Assinatura de contrato com a Technip Brasil para a instalação de uma unidade de produção de tubos flexíveis utilizados na indústria offshore de Petróleo e Gás no Superporto do Açu.

Assinatura de protocolo de intenção com a General Electric Energy do Brasil para a instalação de unidade na retroárea do Superporto do Açu.

Dezembro

Assinatura de contrato com a InterMoor para instalação no Superporto do Açu de uma unidade que oferecerá apoio logístico e serviços especializados à indústria de óleo e gás.

2012

Janeiro

Início da construção do quebra-mar do TX2, terminal onshore do Superporto do Açu. O ponto de partida foi a obra do molhe norte, que é uma estrutura de pedras localizada no início do quebra-mar.

Abril

Visita da presidenta Dilma Roussef ao SuperPorto do Açu. A presidenta conheceu as obras do empreendimento e participou de evento que celebrou o 1º óleo da OGX, empresa de óleo e gás do Grupo EBX.

Assinatura de memorando de entendimento entre a LLX e a Ferrovia Centro Atlântica (FCA) para continuidade dos estudos de viabilidade para a obtenção das licenças ambientais necessárias à construção do trecho ferroviário até o Superporto do Açu. Documento foi assinado durante visita da presidenta Dilma Roussef ao empreendimento.

Maio

Lançamento do Programa de Conservação da Biodiversidade da LLX, que contempla iniciativas socioambientais para a preservação da biodiversidade da região de São João da Barra. Entre elas está a criação da Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) Caruara, a maior de restinga do país, com 3.845 hectares e a instalação de um viveiro de mudas nativas, com capacidade para produzir 500 mil mudas por ano.

Assinatura de contrato com a Subsea 7 para a instalação de uma unidade para fabricação e revestimentos de dutos rígidos submarinos de grande extensão no Superporto do Açu.
Instituto Estadual do Ambiente (INEA) concede Licença de Instalação para os clientes NOV e Technip realizarem a fabricação, armazenamento e estocagem de tubos flexíveis, além do manuseio, carregamento e descarregamento de linhas flexíveis, no Complexo Industrial do Superporto do Açu

Agosto

Pacote de infraestrutura para ferrovias lançado pelo governo federal contempla duas rotas que passam pelo Superporto do Açu. Uma rota conectará o Superporto do Açu com toda a região Sudeste e com a malha ferroviária nacional e a outra ligará o Superporto do Açu com a maior região produtora de grãos do Brasil

LLX assina com o Banco Bradesco aditivo para a renovação, pelo prazo de 18 meses, de financiamento no valor de R$ 345,18 milhões referentes ao empréstimo-ponte firmado em setembro de 2010

Setembro

LLX recebe o primeiro bloco de concreto para a construção do quebra-mar do TX2, terminal onshore do Superporto do Açu

Emissão de R$ 750 milhões em debêntures tendo a Caixa Econômica Federal como banco coordenador da emissão

Novembro

LLX assina contrato com a GE do Brasil para a instalação de unidade industrial na retroárea do Superporto do Açu. O contrato terá duração de 30 anos e a planta fabril dá início à ocupação do Polo Metalmecânico do Complexo Industrial, com o foco nas áreas de petróleo & gás e geração de energia

Chega ao Superporto do Açu o dique flutuante Kugira que irá fabricar blocos de concreto para o quebra-mar do TX2

Dezembro

LLX assina contrato com V&M do Brasil para instalação de uma base logística no Superporto do Açu

LLX e OSX inauguram Centro de Formação de Pescadores em São João da Barra

2013

Março
 
Assinatura de contrato com a BP para a constituição da empresa MFX (Marine Fuels X), com o objetivo de importar, exportar, vender e distribuir combustíveis marítimos, sob a marca da BP Marine. A MFX terá o seu controle compartilhado entre BP e EBX, onde cada uma terá uma participação de 50%.

Maio


LLX assina com o Banco Bradesco a renovação do financiamento, pelo prazo de 18 meses, com vencimento em outubro de 2014, no valor de R$ 467,7 milhões referentes ao empréstimo-ponte firmado em maio de 2011.

Fevereiro
 
Assinatura de contrato com a ASCO Brasil, empresa da ASCO Group, para a prestação de serviços de logística para empresas de exploração e produção de petróleo e seus fornecedores. Com esta associação, o Superporto do Açu passará a ofertar soluções logísticas completas e integradas de padrão internacional, com tecnologias avançadas, atendendo aos mais exigentes requisitos de eficiência, segurança e proteção ambiental da indústria de Óleo & Gás.
Inea concede Licença de Instalação para InterMoor para a instalação de uma unidade que oferecerá apoio logístico e serviços especializados à indústria de óleo e gás. A InterMoor do Brasil irá fornecer um conjunto seleto de serviços para atender às necessidades específicas de seus clientes, entre eles Petrobras, Shell e OGX, assim como todas as demais grandes companhias de petróleo que operam no Brasil.
Assinatura de contrato com a Wärtsilä para aluguel de 29.300 m2 de área no canal do TX2. O contrato terá a duração de 30 anos, renováveis por mais 30 anos. A Wärtsilä instalará uma planta de montagem e produção de Grupos Geradores e Propulsores Azimutal, além de oferecer soluções e serviços para necessidades de seus clientes nas áreas de energia e propulsão marítima.
Inea concede Licença Prévia e de Instalação para a LLX construir um terminal de GNL (Gás Natural Liquefeito) no Superporto do Açu. O terminal de GNL estará localizado no TX2 entre o lado norte do quebra-mar e a entrada do canal, com capacidade para 10 milhões de m3/dia.

Maio

 

LLX assina com o Banco Bradesco a renovação do financiamento, pelo prazo de 18 meses, com vencimento em outubro de 2014, no valor de R$ 467,7 milhões referentes ao empréstimo-ponte firmado em maio de 2011.

Agosto


Assinatura de um Termo de Compromisso com a EIG Management Company LLC (“EIG”) que prevê o investimento pelo Grupo EIG na LLX, por meio de participação em operação de aumento privado do capital social da Companhia, no valor de R$ 1,3 bilhão. A EIG é uma instituição líder no setor de energia global com US$ 12.8 bilhões sobre gestão em 30 de Junho de 2013.

Setembro

Assinatura de acordo definitivo com o Grupo EIG para investimento de R$ 1,3 bilhão na LLX.

Renovação do empréstimo-ponte com o BNDES, firmado em fevereiro de 2012, no valor de R$ 518 milhões.

Extensão do prazo de financiamento com o BNDES por três anos.

Outubro

Controle da LLX passa a ser do Grupo EIG.
 
Assinatura de um novo financiamento no valor de R$ 900 milhões com os bancos Santander e Bradesco pelo prazo de 18 meses.

2014

​Janeiro


Eduardo Parente assume a presidência da Prumo Logística.

​Fevereiro
• Visita Ministro dos Transportes, César Borges, ao Porto do Açu.
​Março
• Mudança para nova sede no Edifício Manchete, na Glória.
• Criação de duas novas diretorias: Desenvolvimento, comandada por Marina Fontoura, e Operações, com Cristiane Marsillac.
• Jorge Camargo, ex-presidente da Statoil e ex-diretor da Petrobras, passa a integrar o Conselho de Administração da companhia.
​Abril
• Chegada do dique flutuante Mar del Enol, da empresa espanhola FCC, para construção dos blocos de concreto que compõem o quebra-mar do Terminal 1
• Assinatura de contrato de aluguel de área com a empresa americana Edison Chouest, que irá instalar uma base de apoio logístico offshore e estaleiro de reparos navais para suas próprias embarcações no Porto do Açu.
​Maio
• Participação na Offshore Technology Conference (OTC), principal feira do setor de óleo e gás do mundo, que acontece em Houston (EUA).
• Assinatura de contrato com a NFX para instalação de uma base no Porto do Açu. A empresa é uma joint venture formada 50% pela Prumo e 50% pela BP.
• Prumo recebe o Prêmio Benchmarking Brasil, reconhecido como um dos principais selos de sustentabilidade que destaca as melhores práticas de gestão socioambiental no país. O acse vencedor foi a criação da Vila da Terra.
​Junho
• Inauguração de uma base de controle, prevenção e fiscalização de possíveis derramamentos de óleo no mar par atender aos clientes. Instalada ao lado do Centro de Controle Operacional do Tráfego Marítimo (CCOTM), localizado no Terminal 2.
​Agosto
• Chegada ao Porto do Açu da primeira polpa de minério bombeada por meio do mineroduto de 529 km e provenientes da mina e da planta de beneficiamento, da Anglo American, em Minas Gerais.
​Setembro
• Assinatura de aditivo de contrato com a Edison Chouest para expansão da área alugada no Porto do Açu, passando de 255,2 mil m² para 284,2 mil m². O cais original de 440 metros passará a medir 490 metros.
• Edison Chouest inicia construção de sua base de apoio logístico localizada no Terminal 2. Com área de 574.200 m², a unidade terá capacidade para receber até 15 embarcações de apoio simultaneamente. O início de operação está previsto para o primeiro semestre de 2015.
• Prumo é expositora da Rio Oil&Gas, principal evento de Petróleo e Gás da América Latina. No estande foi apresentado a evolução das obras do Porto do Açu.
• Instalação do radar VTS (Vessel Traffic Service) no Centro de Controle Operacional do Tráfego Marítimo (CCOTM). O radar é um dos mais importantes equipamentos de auxílio à navegação, com alcance de cerca de 25 milhas náuticas de distância, equivalente a 50 km.
​Outubro
• Início da operação de aumento de capital no valor mínimo de R$ 455 milhões e máximo de R$ 650 milhões, com ações emitidas a R$ 0,65. O objetivo é preparar a companhia para uma nova fase de investimentos em 2015.
• Início de operação do empreendimento. Primeiro embarque de minério de ferro no Terminal 1 com o navio "Key Light" carregando 80 mil toneladas de minério de ferro.
• Lançamento da Rede de Empregabilidade, um banco de dados que reúne a mão-de-obra disponível da região Norte Fluminense, além de trabalhadores que atuam nas obras do Complexo Industrial.
​Novembro
• Primeira operação do Terminal 2. O navio Happy Dynamic, do tipo Heavy Lift, veio da China e atracou no cais da fábrica do cliente NOV. Com um calado de 7 metros, a embarcação estava carregada com um guindaste, que pesa 520 toneladas, e foi afixado no cais da NOV e utilizado para movimentar os carretéis de tubos flexíveis.
​Dezembro
• Obtenção da Carta Náutica para os terminais 1 e 2. O documento fornece informações hidrográficas do porto como profundidade, boias de sinalização determinando o canal de acesso, fundeadouros, rosa dos ventos, entre outros.
• Assinatura de contrato com a Marca Ambiental para instalação de um centro para prestação de serviços de coleta, tratamento e disposição de resíduos em geral. A empresa é especializada em multitecnologias de gerenciamento integrado de resíduos.
• Grupo EIG adquire 124.119.306 ações ordinárias, equivalentes a 6,98% do total de ações da Prumo. O montante pertencia ao fundo canadense OTPP.
• Prumo recebe o prêmio Rio+Empreendedor 2014, na categoria Região Norte Fluminense, pelo desenvolvimento do Porto do Açu.

2015

Maio:
Assinatura de contrato com a incorporadora carioca Inter Rio para a instalação de um hotel no Complexo Industrial do Porto do Açu.

Junho:
Assinatura de contrato com a BG Brasil para operação de transbordo de 200 mil barris de petróleo por dia no Terminal de Petróleo (T-OIL) do Porto do Açu. Operação inicial está prevista para Agosto de 2016.
Julho:
. Assinatura de contrato com a Votorantim Metais para a movimentação de 300 mil toneladas por ano de bauxita e coque no Terminal Multicargas (T-MULT) do Porto do Açu.

. Recebimento da 1º carga de bauxita no Porto do Açu.
Agosto:
. Venda de 20% do Terminal de Petróleo (T-OIL) do Porto do Açu para a empresa alemã Oiltanking, por US$ 200 milhões. Empresa alemã também será a responsável pelas operações de transbordo de petróleo que serão realizadas no terminal.

. Primeira operação de bauxita no Terminal Multicargas (T-MULT), com o carregamento do navio Turquoise Ocean, com 30 mil toneladas de bauxita.
Dezembro:
Porto do Açu recebe a Licença da Marinha para o VTS (sigla em inglês de Vessel Traffic Service). O porto é o 1º do Brasil a receber a licença. O VTS é um sistema que monitora ativamente o tráfego aquaviário, melhorando a segurança e eficiência na movimentação de embarcações.